REFLEXÕES DE UM PROFISSIONAL DE DANÇA

Érico Rodrigo Gomes Ferreira

 

 

Dançar a dois é muito mais do que uma atividade física, ela tem a possibilidade do desenvolvimento do ser, tanto à nível físico quanto psicológico.

Como citado no site http://www.mulherdigital.com/beneficios-danca-de-salao/

visto em 09/2014, os benefícios físicos da dança são:

 

– Reduz o estresse. Quando você dança, você se esquece de todos os problemas e relaxa. Todo mundo fica no maior alto astral;
– Aumenta a energia. Quando você pratica a dança de salão você fica no maior pique e animação para um monte de outras coisas;
– Melhora o tônus muscular. Embora a dança de salão não trabalhe tão intensamente como a musculação, ela pode realmente fortalecer os músculos, especialmente a parte traseira das coxas e os glúteos;
– Contribui para o controle de peso. Se você está com alguns quilinhos acima do peso, porque não perdê-los de forma divertida?

– Excelente exercício cardiovascular;
– Fortalece os ossos de suas pernas e quadris;

– Aumenta o equilíbrio e a coordenação motora. A dança é movimento. Desenvolve a consciência de como o corpo se move e como funciona o seu controle corporal. A dança desafia a percepção espacial e do outro, que está envolvido na dança;

– Desenvolve o sistema circulatório;

– Melhora a capacidade mental. Pesquisadores apontaram que a dança de salão pode ser excelente para evitar e reabilitar pessoas com Alzheimer;

– Aumenta a confiança pessoal;

– Contribui para a boa postura e alinhamento corporal;

– Desenvolve o controle pessoal

– Contribui para a interação social. O indivíduo na dança precisa aprender a interagir com outras pessoas e isso não fica apenas restrito ao espaço da dança. O sujeito depois de algum tempo passa a se relacionar melhor com todos. Uma ótima alternativa para vencer a timidez.

      Diverte. Mesmo se a pessoa estiver cansada, a dança é uma atividade divertida. A pessoa pode estar com baixo astral ou triste e quando dança “os males espanta”.http://www.mulherdigital.com/beneficios-danca-de-salao/ visto em 09/2014

 

 

 

 

            E conforme Marcelo Quirino, psicólogo clínico   mostra em questionário pesquisado no site http://www.viverbemjornal.com/#!benefcios-da-dana-para-a-sade-psicol/cptd em 09/2014,

 

1. dança de salão pode produzir algum benefício psicológico em quem a pratica? Quais?

 

Sim, são muitos. A dança de salão como um conjunto de movimentos harmônico, rítmico e com um parceiro pode cognitivamente estimular a memória, a criatividade, o raciocínio espacial e a linguagem. Fisiologicamente pode regular o estresse, o sono, a ansiedade e diminuir níveis de irritabilidade, dentre outros. Socialmente melhorar a interação social, a autoconfiança, a autoestima, a autoimagem e melhorar habilidades sociais inclusive. Fora a estimulação da inteligência cinética, que é o aprimoramento dos movimentos rítmicos e coordenados do corpo. Já se sabe que determinados atletas são providos desse tipo de inteligência, e a dança de salão pode estimulá-la. Todos esses benefícios ocorrem porque a dança de salão possui meios de estimular psicologicamente o praticante e interferir diretamente em fatores psicopatológicos. 

 

2. A dança é dita por algumas pessoas que a praticam como uma atividade terapêutica. Mas, a dança de fato pode ser indicada como uma atividade terapêutica para algum paciente? Por quê? 

 

Sim, sem dúvida. Em primeiro lugar por proporcionar benefícios psicológicos, sociais e fisiológicos amplos. Em segundo lugar por ser a dança um mecanismo de desenvolvimento psicossocial.  E em terceiro por se tornar um coadjuvante nas psicoterapias. Casais que praticam dança de salão juntos tendem a ser mais compreensivos um com o outro, melhorar a comunicação, modificar a forma com que veem e entendem um ao outro, se tornar mais pacientes e até mesmo levar esses benefícios para a cama. Se o paciente tem dificuldades de se posicionar frente a uma paquera, tem insegurança, autoestima baixa e autoconceito retorcido, a dança de salão pode ser um ótimo potencializador da psicoterapia. Veja que não substitui a psicoterapia, mas se torna coadjuvante.

 

 

3. Cite exemplos de casos em que a dança pode ser uma boa recomendação como terapia para o paciente.

 

Terapia de casal, pessoas com depressão crônica, pacientes com autoestima e autoconceito baixos. Casos de transtorno psicomotor, autismo infantil, pacientes hospitalizados com problemas crônicos. Grávidas com  depressão, dentre outros. Vale lembrar que essas recomendações não devem substituir a psicoterapia, pois pode haver um efeito chamado transferência sintomática, que é quando os sintomas voltam devido à falta de ajuda de um psicoterapeuta. Sozinha a dança tem eficácia em alguns casos, mas a psicoterapia é garantia de uma boa análise da estrutura de personalidade que gera determinados transtornos.

 

4. Geralmente as pessoas sentem prazer ao dançar. O que acontece no corpo humano que faz com que essa sensação seja sentida no momento da dança?

 

A interação social e corporal do momento da dança, o exercício físico aeróbio, a manutenção da concentração por um longo período, a descarga hormonal proporcionada pelo exercício físico e etc são mecanismos disparados em todo o  sistema nervoso, o corporal, o muscular, o esquelético e psíquico durante a dança. Descargas de adrenalina e de outros hormônios são responsáveis pela geração do prazer e outros benefícios psicológicos indiretamente.

http://www.viverbemjornal.com/#!benefcios-da-dana-para-a-sade-psicol/cptd em 09/2014

           

 

Além dos itens citados pelos autores (sites) opcit, pode-se ainda mencionar algumas melhoras específicas, a partir de observações em 26 anos como professor desta modalidade.

Tanto para o cavalheiro quanto para a dama, desenvolve um grande poder de decisão. Nos cavalheiros é desenvolvido que a cada passo ele necessita definir o passo seguinte. Nas damas, elas precisam decidir que tipos de enfeites e em que momentos devem ser realizados. Decisões essas que ocorrem em frações de segundos, possibilitando o reflexo nas suas vidas profissionais.

Existe um ditado “que se deve dançar, conforme a música”, um exemplo disso é fazer uma simples pausa durante a música. Parece simples, mas não é.

Para que essa pausa ocorra na dança e na música simultaneamente, o cavalheiro além de ter que ter o poder de decisão, terá que ter imensa criatividade para adaptar o passo à pose que gostará de fazer na pausa da música.

A grande maioria dos dançarinos/alunos, têm uma dança rítmica e acadêmica, ou seja , executam os passos da maneira que aprenderam. Ao dançarem com um par há a necessidade de uma adaptação do movimento ao ritmo da música e nesse momento, erros acontecem, por motivos diversos. Por incerteza do seu próprio passo, ou do parceiro, onde é preciso se adaptar sem perder o ritmo da música.

Cada pessoa tem seu tempo e sua maneira de aprender. Durante o processo das aulas, o aluno desenvolve em si mesmo essa percepção e sua própria linha de raciocínio. Ao mesmo tempo, passa a compreender que seu  parceiro (a) provavelmente terá uma outra linha de raciocínio e muitas vezes uma forma de aprendizagem diferente da dele, com temporalidade e espacialidades diferentes.

Desta foram vai aprender a respeitar seus limites e tempos, tanto quanto de seu (a) parceiro (a).

Na dança de salão os melhores bailes são os mais cheios, embora essa conceituação exija maior destreza do casal. Neste caso terá que perceber e respeitar os demais casais da pista, a ronda do baile e o estilo de dança adequado, exemplo, fazer um movimento aéreo durante o  baile.

Um outro ponto interessante no desenvolvimento social é a relação entre as pessoas. Normalmente não se vê um diretor de empresa sentado à mesa de refeição com sua faxineira, principalmente escutando suas opiniões. O que é interessante, que na dança ele terá imenso prazer não só de sentar, conversar e escutar quanto fazer seu parceiro (a) feliz tornando o memento da dança prazeroso.

Essa postura se reflete com o tempo nas relações profissionais quanto nas  familiares.

A dança de salão trás em si, muito mais, ela vem tratar das relações interpessoais o que nos ajuda diretamente no nosso dia a dia profissional, pessoal e afetivo. Desenvolvendo temas como comunicação, paciência, persistência, respeito, percepção do outro e de si mesmo. No jogo da dança só se ganha, quando o outro ganha, só consegue realizar os passos no baile se estiver em harmonia com os demais casais ao seu redor.  

Se cadastre no  grupo e receba,    minhas dicas de dança.